Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/16353
Title: Crenças linguísticas nas aulas de língua portuguesa de uma escola de periferia.
Authors: Nascimento, Daniele Francisca Martins do
metadata.dc.contributor.advisor: Gonçalves, Clézio Roberto
Keywords: Letramento
Língua portuguesa - estudo e ensino
Língua materna
Sociolinguística
Issue Date: 2022
metadata.dc.contributor.referee: Gonçalves, Clézio Roberto
Brasileiro, Ada Magaly Matias
Dias, Valter de Carvalho
Citation: NASCIMENTO, Daniele Francisca Martins do. Crenças linguísticas nas aulas de língua portuguesa de uma escola de periferia. 2022, 184 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2022.
Abstract: A proposta desta pesquisa foi investigar as crenças linguísticas nas aulas de língua materna, a partir das perspectivas de alunos(as) dos três anos do Ensino Médio e da professora de língua portuguesa, em uma escola da rede pública na periferia de Vespasiano (MG). Acreditamos que, a partir das reflexões sobre crenças linguísticas, é possível (re)pensar o ensino- aprendizagem de língua portuguesa. Para as concepções teóricas, baseamo-nos nos princípios da linguística aplicada e da sociolinguística, nos estudos sobre crenças linguísticas e sobre o ensino-aprendizagem e também práticas de letramentos. Adotamos, neste trabalho, a concepção de crenças linguísticas como construções sociais e individuais que influenciam nossos modos de perceber o mundo (BARCELOS, 2006), bem como impactam fenômenos da língua (BOTASSINI, 2015) e podem ser modificadas e ressignificadas (SOUZA, 2012). Tendo em vista o contexto de desenvolvimento desta investigação, uma periferia na região metropolitana de Belo Horizonte, fundamentamos nossa teoria também a partir das questões de raça, gênero, classe, identidades e suas implicações com a língua e a linguagem. Para a pesquisa, utilizamos procedimentos metodológicos diversificados, como quantitativo- qualitativo, análise documental, e observações sob um olhar etnográfico. Foram realizadas entrevistas, via questionário, com assertivas sobre crenças linguísticas aos(às) estudantes e à professora na escala Likert, que apontaram discordância ou concordância com as afirmações. Adicionalmente, foram realizadas observações virtuais, durante a pandemia, e em campo, quando da volta às aulas presenciais. Tendo em vista que a maior parte da pesquisa ocorreu durante o regime de estudo não presencial, realizou-se análise dos Planos de Estudos Tutorados (PETs), documentos elaborados pela Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEEMG). Nos resultados, observamos, por um lado, que há crenças como a existências de “certo” e “errado” na forma de falar, a homogeneidade da língua portuguesa com alto percentual de concordância entre alunos(as), assim como o dever de a escola ensinar a variedade culta aos estudantes, tanto para alunos(as) quanto para a docente. Por outro lado, crenças linguísticas como de que brasileiro(a) não sabe português já são avaliadas com discordância por grande parte de alunos(as) e docente – esta apresenta uma visão menos progressista quando comparadas suas crenças às dos(as) discentes. Nos PETs analisados, observamos que tais materiais não apresentam fundamentação teórica adequada acerca da variação linguística, razão esta de equívocos em definições e usos de termos sociolinguísticos. Não há utilização de gêneros textuais representativos de situações reais de uso; as abordagens, em sua maioria, limitam-se a aspectos lexicais baseados na gramática tradicional, além de desconsiderar a BNCC, mesmo quando se propõem a considerá-la. As observações em campo, principalmente virtuais, e as entrevistas semiestruturadas nos trouxeram como resultados o conhecimento de que os(as) alunos(as) estão envolvidos em práticas sociais de letramentos de reexistência, letramentos digitais, multiletramentos, em ambientes extraescolares como batalhas de hip-hop, igrejas, redes sociais, entre outros.
metadata.dc.description.abstracten: The purpose of this research was to investigate linguistics beliefs in mother tongue classes, from the perspectives of students in the three years of high school and the Portuguese language teacher, in a public school on the periphery of Vespasiano (MG). We believe that, based on reflections on linguistics beliefs, it is possible to (re)think Portuguese language teaching and learning. For the theoretical conceptions, this research was based on the principles of applied linguistics and sociolinguistics, on studies about linguistics beliefs and teaching-learning, as well as on literacy practices. In this work, we chose to use the conception of linguistics beliefs as social and individual constructions that influence our ways of perceiving the world (BARCELOS, 2006), as well as impact language phenomena (BOTASSINI, 2015) and can be modified and re-signified (SOUZA, 2012). Considering the development context of this investigation, a periphery in the metropolitan region of Belo Horizonte, we also based our theory on issues of race, gender and class, identities and their implications about the language. For the research, we used diversified methodological procedures, such as quantitative-qualitative, documental analysis, and observations from an ethnographic point of view. Interviews were conducted with questionnaires with statements about linguistics beliefs were applied to the students and the teacher on the Likert scale, which indicated disagreement or agreement about these statements. In addition, virtual observations were carried out during the pandemic and in the field, when face-to-face classes returned. Considering that most of the research took place during the remote study regime, the Tutored Study Plans (PETs), documents prepared by the Minas Gerais State Department of Education (SEEMG) were analyzed. In the results, we observed, on the one hand, that there are beliefs such as the existence of “right” and “wrong” in the way of speaking, the homogeneity of the Portuguese language with a high percentage of agreement among the students, as well as the duty of school to teach the cultured variety to the learners, both for students and for the teacher. On the other hand, linguistics beliefs such as: “Brazilians do not know Portuguese” are evaluated with disagreement by most students and the teacher – the latter presents a less progressive view when comparing her beliefs to the students’ beliefs. In the analyzed PETs, we observed that such materials do not present adequate theoretical foundations about linguistics variation, which is the reason for misunderstandings in definitions and uses of sociolinguistic terms. There is no use of representative textual genres of real situations of use; most approaches are limited to lexical aspects based on traditional grammar, in addition to disregarding the BNCC, even when they propose to consider it. Field observations, mainly virtual, and semi-structured interviews brought us the knowledge that students are involved in social practices of reexistence literacies, digital literacies, multiliteracies, in extra-school environments such as hip-hop battles, churches, social networks, among others.
Description: Programa de Pós-Graduação em Letras. Departamento de Letras, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/16353
metadata.dc.rights.license: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 08/03/2023 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.
Appears in Collections:POSLETRAS - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_CrençasLinguísticasAulas.pdf5,43 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons