Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/6438
Title: Influência do estradiol nos transtornos de ansiedade em ratas fischer submetidas à restrição alimentar.
Authors: Campos, Glenda Siqueira Viggiano
metadata.dc.contributor.advisor: Menezes, Rodrigo Cunha Alvim de
Keywords: Nutrição
Estradiol
Ansiedade
Issue Date: 2015
metadata.dc.contributor.referee: Viana, Milena de Barros de
Oliveira, Lisandra Brandino de
Citation: CAMPOS, Glenda Siqueira Viggiano. Influência do estradiol nos transtornos de ansiedade em ratas fischer submetidas à restrição alimentar. 2015. 67f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2015.
Abstract: A restrição alimentar (RA) severa provoca carência energética e nutricional, levando o indivíduo à desnutrição, e este desequilíbrio acarreta inúmeras consequências bioquímicas, fisiológicas e emocionais, tais como ansiedade, pânico e danos à memória. A RA também altera o eixo hipotálamo-hipófise-ovariano, que é a via que regula a produção de hormônios ovarianos, ocasionando redução da síntese e liberação de estradiol pelos ovários. Estudos já mostraram a presença de alta densidade de receptores de estradiol do tipo β (ERβ), que quando ativados resultam em efeitos ansiolíticos, no núcleo dorsal da rafe (NDR), indicando uma relação entre o estradiol, o NDR e os transtornos de ansiedade generalizada (TAG) e pânico (TP). O NDR é uma importante estrutura encefálica relacionada a fisiopatologia dos TAG e TP. Assim, o nosso objetivo foi investigar a influência do estradiol no NDR sobre os TAG e TP em ratas submetidas à restrição alimentar. Para isso, ratas Fischer (210 ± 10g) foram divididas em controle (C) e RA e alojadas individualmente. Durante 14 dias, as C receberam ração ad libitum e os RA receberam 40% do consumo médio dos C. No 7° dia foram anestesiados com ketamina-xilazina para inserção de cânula-guia no NDR. Ao final do protocolo dietético, cada animal foi submetido a dois diferentes ensaios nos quais ou veículo (100 nL) ou estradiol (0,5 pmol/100 nL) foi microinjetado no NDR. Após 20 minutos, as ratas foram testadas no Labirinto em T Elevado (LTE), um aparato que permite avaliar comportamento de ansiedade (esquiva inibitória) e pânico (fuga), e em seguida foram colocadas no campo aberto (arena retangular que avalia a atividade locomotora do animal). No dia seguinte as ratas foram testadas novamente no LTE para avaliação da memória. Nossos resultados mostraram que as ratas RA possuíam o útero mais leve em relação às controle, sugerindo que a RA alimentar reduz a concentração de hormônios ovarianos, entre eles o estradiol. Nós também observamos que as RA levaram mais tempo para sair do braço fechado do LTE do que as C durante a esquiva (F1,63 = 10,34; p = 0,0021), o que indica um comportamento mais ansioso pelo grupo RA. Ao microinjetarmos estradiol no NDR das ratas RA, notou-se que o tempo de latência de saída do braço fechado diminuiu em relação àquelas que receberam veículo (F2,65 = 3,86; p=0,0002), sugerindo que o estradiol agiu como um agente ansiolítico revertendo o comportamento ansioso apresentado no experimento anterior. Não encontramos diferença entre os grupos no tempo de latência de fuga. Em relação à atividade locomotora, as ratas RA mostraram-se menos ativas que as C, independente da administração de veículo ou estradiol no NDR. Diante disso, sugerimos que a RA reduz os níveis de estradiol, diminuindo a concentração disponível deste XVI hormônio para atuar nos receptores presentes no NDR, o que altera o controle desta via, levando ao comportamento de ansiedade nas ratas. _________________________________________________________________________________________________________________________________________
ABSTRACT : Food restriction (FR) causes severe energy and nutritional deficiency, leading the individual to malnutrition, and this imbalance results in countless biochemical, physiological and emotional consequences such as anxiety, panic and damage to memory. FR also alters the hypothalamic-pituitary-ovarian axis, which is the pathway that regulates the production of the ovarian hormones, leading to reduced synthesis and release of estradiol by the ovaries. Studies have shown the presence of high density estradiol β receptors (ERβ) in the dorsal raphe nucleus (DRN) indicating a relationship among estradiol, the DRN and generalized anxiety disorder (GAD) and panic disorder (PD). The DRN is an important brain structure related to the pathophysiology of GAD and PD. Thus, the aim of our study was to investigate the influence of estradiol in DRN on GAD and PD in female rats subjected to food restriction. For that, female Fischer rats (210 ± 10g) were divided into control (C) and FR and housed individually. For 14 days, the C received food ad libitum and FR received 40% of the average consumption of the C. On the 7th day the rats were anesthetized with ketamine-xylazine for insertion of the cannula guide in the DRN. At the end of the dietary protocol, each animal was subjected to two tests in which vehicle (100 nL) or estradiol (0.5 pmol / 100 nl) was microinjected in the DRN. After 20 minutes, the rats were tested in the Elevated T Maze (ETM), an apparatus designed to measure anxiety behavior (inhibitory avoidance) and panic (escape), and then were placed in the open field (rectangular arena that measures the locomotor activity). The following day the rats were retested in the ETM for the evaluation of memory. Our results show that FR had a lower weight of the rat uterus than the control, suggesting that FR reduces the concentration of ovarian hormones including estradiol. We have also found that the FR animals showed increased avoidance latences (F1,63 = 10.34, p = 0.0021), which indicates a more anxious behavior by the FR group. After the estradiol microinjetion in the DRN of FR rats, we noted that the latency to leave the closed arm decreased compared to those animals receiving vehicle (F2,65 = 3.86; p = 0.0002), suggesting that estradiol acted as an anxiolytic agent reversing the anxious behavior presented in the previous experiment. We found no difference between groups in the escape latency time. Regarding the locomotor activity of the FR rats were less active than C, regardless of vehicle or estradiol administration in the DRN Therefore, we suggest that FR reduces estradiol levels, reducing the available concentration of this hormone to act on receptors in the DRN, which changes the control of this pathway, leading to anxiety behavior in rats.
Description: Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Pró-Reitoria de Pesquisa de Pós Graduação, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/6438
metadata.dc.rights.license: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo autor, 02/12/2015, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação desta.
Appears in Collections:PPCBIOL - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_InfluenciaEstradiolTranstorno.pdf1,67 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.