Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/2332
Title: Risco geológico-geotécnico associado a projetos de implantação de PCHS : caso da PCH Cachoeirão
Authors: Castro, Laurenn Wolochote Aracema de
metadata.dc.contributor.advisor: Sobreira, Frederico Garcia
Keywords: Usinas hidrelétricas - pequenas centrais hidrelétricas
Construção civil - especificações
Issue Date: 2008
Publisher: Programa de Pós-Graduação em Engenharia Geotécnica. Núcleo de Geotecnia, Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto.
Citation: CASTRO, L. W. A. de. Risco geológico-geotécnico associado a projetos de implantação de PCHS : caso da PCH Cachoeirão. 2008. 88 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Geotécnica) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2008.
Abstract: Devido às alterações no setor de energia elétrica, dos requisitos ambientais cada vez mais restritivos e aos incentivos oferecidos às fontes de energia alternativa ou energia limpa, a viabilização dos projetos de PCHs – Pequenas Centrais Hidrelétricas – tem se tornado mais fácil. Neste cenário a Cemig lançou o Programa Minas PCH, buscando parceiros para a implantação de PCHs, através da formação de Sociedades de Propósito Específico, tendo como acionista além dela, empresas autorizadas pela ANEEL e investidores. O primeiro projeto a ter o processo de contratação completo e as obras iniciadas foi a PCH Cachoeirão, em parceria com a Santa Maria Energética. A PCH terá capacidade instalada de 27 MW, área inundada de 1,14 Km2, nos municípios de Pocrane e Alvarenga, em Minas Gerais. As discussões do tipo de contrato, das responsabilidades sobre os riscos e das possibilidades de compartilhamento destes, tem consumido muito tempo e esforço durante a formatação dos contratos e, não raro, perduram até o encerramento dos mesmos. Estas definições devem considerar as características dos empreendedores e dos construtores, as características do local de implantação, o nível de certeza e segurança dos modelos elaborados e as características do projeto, entre outros. Para a definição do modelo local, da qualificação e da quantificação dos riscos geológicos envolvidos em obras, várias definições e metodologias têm sido adotadas, porém ainda não existe um consenso. Diante de tudo isto, o risco geológico tem se tornado o maior vilão dos contratos e das obras, independentemente do porte. Visando reduzir as incertezas e tornar o mais claro possível o compartilhamento de risco adotado para os contratos a serem utilizados no Programa Minas PCH, desenvolveu-se uma metodologia de elaboração e consolidação de um Relatório de Riscos Geológico- Geotécnico. Buscou-se esclarecer os modelos adotados, as definições de cotas e características da fundação, tratamentos e as incertezas observadas. O relatório foi anexado ao edital de licitação, foi discutido e consolidado entre as partes, tornando-se integrante do contrato. Este trabalho apresenta as definições adotadas e o relatório elaborado e analisa as dificuldades e os ganhos da utilização desta metodologia.
metadata.dc.description.abstracten: Due to the changes in the electrical power sector, to the more restrictive environmental demands, and also to the incentives offered to the use of alternative energy sources or clean energy, the feasibility of PCHs (Small Hydroelectric Power Plants) is becoming easier. In this scenario Cemig has launched the program called “Programa Minas PCH”, in order to look for partners for settlement of PCHs, through the creation of Especific Purpose Societies, whose stockholders would be CEMIG himself, companies authorized by ANEEL and investors. The first project that had its agreement process completed and its works started was the PCH Cachoeirão, on a partnership with Santa Maria Energética. This PCH will have its production limited to 27MW, and also a dam covering an area of 1,14 km2 , in the Procrane and Alvarenga municipalities, in Minas Gerais. The conversations about the kind of contract, risk responsibilities and the possibilities of sharing them are time and effort-consuming during the phase of contract formatting and, not rare, endure till the end of these contracts. These definitions must take into consideration the characteristics of the entrepreneurs and of the builders, the characteristics of the settlement place, the certainty and safety of the models created, the project characteristics, among others. In order to define the local model, to quantify and qualify the geological risks involved in the works, several definitions and methodologies are being used, but there is no general agreement. Because of this, the geological risk became the major villain in contracts and works, regardless of it size. In order to reduce the uncertainties and to become as clear as possible the risk sharing used for contracts in the “Minas PCH” program, it was developed a methodology for elaborating and consolidating a Report for Geological-Geotechnical Risks. It was a goal to clarify the models used, the definition of elevations and characteristics of the foundation, treatments and the uncertainties observed. The report was attached to the invitation to bid; it was discussed and consolidated between the parts, becoming a part of the contract. This work presents the definitions used and the report prepared, and also analyzes the difficulties and earnings of using this methodology.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2332
Appears in Collections:PPGEG - Mestrado profissional (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_RiscoGeológicoGeotécnico.pdf1,62 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.