Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/10641
Title: Empatia : uma história intelectual de Edith Stein 1891-1942.
Authors: Ferreira, Danilo Souza
metadata.dc.contributor.advisor: Rangel, Marcelo de Mello
Keywords: Edith Stein
Romain Rolland
Teoria da história
Issue Date: 2018
metadata.dc.contributor.referee: Rangel, Marcelo de Mello
Mata, Sérgio Ricardo da
Souza, Guiomar Maria de Grammont Machado de Araújo
Citation: FERREIRA, Danilo Souza. Empatia : uma história intelectual de Edith Stein 1891-1942. 2018. 154 f. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2018.
Abstract: A presente dissertação analisa a trajetória intelectual da filosofa é fenomenologa Edith Stein (1891-1942). A investigação tem por foco especialmente o papel do fenômeno da empatia (Einfühlung), não apenas como temática e seu objeto de dissertação “Sobre o Problema da Empatia” em 1916, mas sim como condição de possibilidade para a elaboração do conhecimento histórico e filosófico presente em todos os seus trabalhos. Para perseguir este objetivo optamos por seguir a orientação de Ângela Alles Bello, “para a qual para compreender o itinerário filosófico Steiniano, é necessário iniciar a análise desde sua primeira obra ate a última.” Os estudiosos na obra de Edith Stein costumam explicitar que a sua produção filosófica se divide em três períodos, que nos auxiliam a compreender a coerência e a continuidade existente entre a biografia da autora é a sua produção intelectual. A primeira fase pode ser caracterizada como o período fenomenológico, que se estende desde sua tese de doutorado em Gottingen, em 1916, até a sua conversão ao catolicismo em 1922; a segunda fase começa em 1922 e vai até a sua passagem pelo convento do Carmelo, em Colônia, onde o foco de estudo central foi a relação entre a pessoa humana e a sociedade através do caráter pedagógico-antropológico; e a terceira fase que começou em 1938 a 1942, esta fase é conhecida pelos escritos eminentemente místicos com o enfoque do diálogo entre a filosofia de São Tomás de Aquino e a fenomenologia Husserliana. Através do conceito de vivências (Erlebins) buscaremos analisar obras das três fases do pensamento Steiniano tendo como base a relação entre a vida mapeada pelas cartas - presentes nas obras completas - e duas biografias escritas pela autora sendo elas as obras História de uma família judaica e Estrelas Amarelas. Dentre os escritos da fase fenomenológica estão, principalmente, a sua tese de doutorado - Sobre o Problema da Empatia, que escreveu sob a orientação de Edmund Husserl (defendida em 1916), assim como um ensaio escrito em 1925, Uma pesquisa sobre o Estado. A respeito desta fase pretendo ter como foco o problema das vivências (Erlebins). Analisarei a sua tese de doutorado onde ela já delineia alguns temas importantes que irão conduzir às suas reflexões posteriores, assim como o seu posicionamento frente à fenomenologia proposta por Husserl em especial depois do seu translado para Freiburg. Entre as obras que compõem o segundo período, destacamos o Intelecto e os Intelectuais, escrita em 1930, assim como Estrutura da Pessoa Humana, ambas pertencem ao período pedagógico-antropológico, são conferencias em que Edith Stein testa o seu método fenomenológico para compreender o seu próprio tempo. Nestes trabalhos buscaremos explicitar a hipótese de que Edith Stein apresenta uma harmonização entre a aplicação do método fenomenológico e as questões de cunho metafisico, tendo como meio deste diálogo os processos históricos, que possibilitariam desvendar a estrutura essencial comum a todos os seres humanos e, simultaneamente, descobrir a essência última que garante a singularidade.
metadata.dc.description.abstracten: The present dissertation analyzes the intellectual trajectory of the philosopher is phenomenologist Edith Stein (1891-1942). The research focuses especially on the role of the empirical phenomenon (Einfühlung), not only as thematic and its dissertation object "On the Problem of Empathy" in 1916, but rather as a condition of possibility for the elaboration of present historical and philosophical knowledge in all his works. To pursue this objective we chose to follow the guidance of Ângela Alles Bello, "in order to understand the Steiniano philosophical itinerary, it is necessary to begin the analysis from its first work to the last. 3 Scholars in Edith Stein's work often explain that her philosophical production is divided into three periods, which help us understand the coherence and continuity between the author's biography and her intellectual production. The first phase can be characterized as the phenomenological period, which extends from his doctoral thesis in Gottingen in 1916 until his conversion to Catholicism in 1922; the second phase begins in 1922 and goes until its passage through the convent of Carmel in Cologne, where the focus of the study was the relationship between the human person and society through the pedagogical-anthropological character; and the third phase that began in 1938 to 1942, this phase is known by eminently mystical writings with the focus of the dialogue between the philosophy of St. Thomas Aquinas and Husserlian phenomenology. 4 Through the concept of experiences (Erlebins) we will analyze works of the three phases of Steiniano thought based on the relationship between the life mapped by the letters - present in the complete works - and two biographies written by the author being the works History of a Jewish family and Yellow Stars. Among the writings of the phenomenological phase are mainly his PhD thesis - On the Problem of Empathy, which he wrote under the guidance of Edmund Husserl (defended in 1916), as well as an essay written in 1925, A Survey on the State. Regarding this phase, I intend to focus on the problem of experiences (Erlebins). I will analyze his doctoral thesis where he already delineates some important themes that will lead to his later reflections, as well as his position in the phenomenology proposed by Husserl especially after his transfer to Freiburg. Among the works that make up the second period, we highlight the Intellect and the Intellectuals, written in 1930, as well as the Structure of the Human Person, both belong to the pedagogical-anthropological period, are lectures in which Edith Stein tests her phenomenological method to understand her own time. In these works we will try to explain the hypothesis that Edith Stein presents a harmonization between the application of the phenomenological method and the metaphysical questions, having as a means of this dialogue the historical processes that would make it possible to unveil the essential structure common to all human beings and simultaneously, discover the ultimate essence that guarantees uniqueness.
Description: Programa de Pós-Graduação em História. Departamento de História, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/10641
metadata.dc.rights.license: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 23/01/2019 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite a adaptação.
Appears in Collections:PPGHis - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_EmpatiaHistóriaIntelectual.pdf874,79 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons