Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/14690
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorGalvão, Paulo Henrique Ferreirapt_BR
dc.contributor.advisorMelo, Marília Carvalho dept_BR
dc.contributor.authorSchuch, Camila Santos-
dc.date.accessioned2022-03-17T11:45:12Z-
dc.date.available2022-03-17T11:45:12Z-
dc.date.issued2022pt_BR
dc.identifier.citationSCHUCH, Camila Santos. Influências urbana, industrial e climática na superexplotação do aquífero cárstico no município de Sete Lagoas (MG). 2022. 83 f. Dissertação (Mestrado em Evolução Crustal e Recursos Naturais) – Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2022.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/14690-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Evolução Crustal e Recursos Naturais. Departamento de Geologia, Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractAquíferos cársticos, quando explotados intensivamente, podem ter como consequência efeitos adversos diretos, como subsidência de terrenos, secas de nascentes e lagoas, e contaminação de água, e indiretos, como problemas ambientais, e instabilidades socioeconômica e política. No município de Sete Lagoas (MG), esses efeitos relacionados à explotação intensiva são observados há anos, e muitos deles estão se intensificando. O objetivo deste mestrado é analisar a influência das variações urbana, industrial e climática no comportamento do aquífero cárstico durante os últimos 40 anos (1980-2020) para confirmar se há superexplotação do aquífero, e desde quando essas influências atuam. Por meio da análise de dados de órgãos públicos e de trabalhos acadêmicos, foi determinado que o município explota, via poços tubulares, volumes acima da recarga média do aquífero desde a década de 2000. A partir da década de 1980, houve um aumento considerável de poços, muitos deles locados desordenadamente no município, devido às expansões urbana e industrial que resulta em um aumento na demanda hídrica. Esses poços estão concentrados em duas regiões (central urbana e polo industrial) onde há cones de rebaixamento com áreas de influência quilométricas (29 km² e 77 km², respectivamente), alterando o comportamento do aquífero de confinado para livre nessas localidades. Nessas regiões também concentram as subsidências de terrenos, além da diminuição ou secamento de lagoas (e.g. Grande, do Matadouro e Paulino). Dados referentes à última década indicam que a explotação via poços tubulares (73,9 Mm³/ano) já excedeu a recarga máxima do aquífero de 72,4 Mm³/ano. A partir de dados do censo demográfico, foi estimada a clandestinidade no município, que equivale a cerca de 67% dos poços, estes sem nenhum tipo de informação ou controle de uso. A recarga média do aquífero (56,1 Mm³/ano) corresponde a 12% da precipitação média da região. As tendências climatológicas de diminuição da pluviometria e aumento da temperatura indicam a probabilidade de recargas menores do aquífero. Áreas com taxa de recarga muito baixa (1-5%) equivalem a 77% do território, enquanto 17% possui taxas altas ou muito altas (35-75%). Considerando-se esses fatos, Sete Lagoas enfrenta um estado de superexplotação do aquífero cárstico e que pode se agravar futuramente.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/us/*
dc.subjectHidrogeologiapt_BR
dc.subjectRecursos hídricospt_BR
dc.subjectAquíferopt_BR
dc.subjectCarstept_BR
dc.titleInfluências urbana, industrial e climática na superexplotação do aquífero cárstico no município de Sete Lagoas (MG).pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 09/03/2022 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeGalvão, Paulo Henrique Ferreirapt_BR
dc.contributor.refereeBacellar, Luis de Almeida Pradopt_BR
dc.contributor.refereeHirata, Ricardopt_BR
dc.description.abstractenKarst aquifers, once intensively exploited, might cause direct adverse effects, such as land subsidence, springs and lakes droughts, water contamination, and indirect ones, such as environmental, socioeconomic and political instabilities. In the municipality of Sete Lagoas, the effects of such exploitation have been observed for years, many of them having even intensified over time. Therefore, this master's degree project aims to analyze the urban, industrial, climatological and behavioral evolution of the aquifer during the last 40 years (1980-2020), to recognize if the aquifer is being overexploited, the influential factors to its possible overexploitation and for how long they have been active. By reworking existing data from public agencies and previous academic works, it was determined that the municipality has been exploiting, via tubular wells, volumes above the average aquifer recharge since the 2000s. From the 1980s forward, there has been an addition in wells - often constructed in a disorderly manner - as result of urban and industrial expansion that increased water demand. These wells are mainly found in two regions (central urban and industrial areas), where there have been developed cones of depression with kilometric areas of influence (29 km² and 77 km², respectively), altering the aquifer’s condition from confined to unconfined in such areas. These regions also concentrate the occurrence of geotechnical issues of land subsidence and collapse, in addition to lakes decrease/drought and contamination (e.g. Grande, Matadouro and Paulino). Data referring to the last decade indicate that exploitation via tubular wells (73.9 Mm3 /year) has already exceeded the aquifer’s maximum recharge of 72.4 Mm3 /year. From the demographic census, it was estimated the well’s clandestinity in the municipality, equivalent to approximately 67%, these presenting no data collection or control over their use. Average recharge for the aquifer (56.1 Mm3 /year) represents 12% of the region’s mean annual precipitation. Climatological tendencies of decreasing rainfall and increasing temperature values could indicate lower recharges rates for the aquifer. Areas with a very-low infiltration rate (1-5%) comprise 77% of the area, while only 17% present high or very-high rates (35-75%). Considering all these factors, Sete Lagoas is currently facing an overexploitation status for the karst aquifer that could even worsen with time.pt_BR
Appears in Collections:PPGECRN - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_InfluênciasUrbanaIndustrial.pdf3,63 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons