Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/12335
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorOliveira, Breynner Ricardo dept_BR
dc.contributor.authorRossi, Daiana Mendes de Oliveira-
dc.date.accessioned2020-06-12T16:15:58Z-
dc.date.available2020-06-12T16:15:58Z-
dc.date.issued2020-
dc.identifier.citationROSSI, Daiana Mendes de Oliveira. A política de avaliação da pós-graduação: uma análise da implementação a partir das percepções, práticas e estratégias dos implementadores na UFOP. 2020. 170 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/12335-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Educação. Departamento de Educação, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractEssa pesquisa analisa a implementação da política de avaliação da pós-graduação brasileira sob a percepção dos agentes implementadores, neste contexto, representados pelos docentes que coordenam e lecionam nos Programas de Pós-Graduação (PPG) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Com o emprego de uma metodologia de cunho qualitativo, são utilizadas como técnicas de pesquisa o levantamento documental, além de entrevistas com os cinco coordenadores e sete dos docentes inseridos, respectivamente, há mais e menos tempo nos programas, com o objetivo de captar as percepções e estratégias dos sujeitos envolvidos em diferentes momentos de suas carreiras docentes. Busca-se entender como essa política de avaliação dos programas é compreendida por esses atores e que estratégias ou práticas de atuação têm surgido no contexto de implementação. O estudo parte do referencial teórico da implementação de políticas educacionais, sendo as principais contribuições feitas por Michael Lipsky (2010), Stephen Ball (2010, 2011, 2016) e colaboradores que trabalharam junto a esse último autor, além de estudos que surgiram a partir da contribuição de todos esses trabalhos. A hipótese de pesquisa parte do consenso entre vários desses autores de que as políticas públicas quase nunca chegam ao seu destino com as mesmas características ou finalidades às quais foram desenhadas. Os resultados demonstram que a indução proveniente da política de avaliação da pós-graduação tem modificado a forma de pensar e agir dos implementadores, que passam a vincular a noção de produtividade exclusivamente à produção intelectual, adotando meios para alcançar a índices de resultados cada vez melhores. Surge a partir daí uma tendência de que atribuições igualmente importantes como a docência, o desenvolvimento de atividades de extensão, a atuação em cargos administrativos de fundamental importância para a pós-graduação – bem como para toda a universidade – como a coordenação do programa, por exemplo, não serem reconhecidas como atividades produtivas, pelo fato de não receberem tanta visibilidade pelo formato de avaliação. Isso origina uma cadeia indutora que faz com que surjam pressões tanto do sistema avaliativo em direção aos docentes, quanto entre os próprios implementadores, que passam a monitorar a si mesmos, empregando, inclusive, juízo de valor sobre os colegas que apresentarem baixos índices de produção intelectual. Por fim, o formato avaliativo induz os implementadores dessa política a adotarem estratégias de adaptação às exigências, tais como dividir tarefas visando ao aumento do número de artigos produzidos, publicação buscar realizar publicações conjuntas com o orientando, descentralizar atividades de acompanahamento discente e docente, dentre outras.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.subjectEducação e Estadopt_BR
dc.subjectEnsino superiorpt_BR
dc.subjectUniversidade Federal de Ouro Preto - pós-graduaçãopt_BR
dc.subjectEducação - estudo e ensino - pós-graduação - avaliaçãopt_BR
dc.titleA política de avaliação da pós-graduação : uma análise da implementação a partir das percepções, práticas e estratégias dos implementadores na UFOP.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 04/06/2020 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeOliveira, Breynner Ricardo dept_BR
dc.contributor.refereeTripodi, Maria do Rosário Figueiredopt_BR
dc.contributor.refereeHostins, Regina Celia Linharespt_BR
dc.description.abstractenThis research intends to study the implementation of the graduate evaluation policy under the perception of the implementing agents represented in this context by the professors who coordinate and teach in the Graduate Programs of the Federal University of Ouro Preto (UFOP). Through the use of a qualitative methodology, techniques of documentary survey are used in this research. In addition, interviews with five coordinators and seven of the professors inserted for more and less time in the programs. This approach was chosen in orther to capture the perceptions and strategies of the subjects in different moments of the teaching career. This study seeks to understand how this policy is understood by these actors and what strategies or practices have emerged in the context of implementation. It starts from the theoretical framework of the implementation of educational policies, being the main contributions made by Michael Lipsky (2010), Stephen Ball (2010, 2011, 2016) and collaborators who worked with and after them. The research hypothesis is based on the consensus among several studies that public policies hardly ever reach their destination with the same characteristics or purposes for which they were criated for. The results demonstrate that the induction from the postgraduate evaluation policy has modified the way of thinking and acting of the implementers, who start to link the notion of productivity exclusively to intellectual production, adopting means to reach increasingly better results rates. From there arises a tendency that equally important attributions such as teaching, the development of extension activities, the performance in administrative positions of fundamental importance for postgraduate studies - as well as for the entire university - as the coordination of the program, for example. example, not being recognized as productive activities, due to the fact that they do not receive so much visibility through the evaluation format. This creates an inductive chain that causes pressure to arise both from the evaluation system towards teachers, as well as among the implementers themselves, who begin to monitor themselves, including employing value judgment on colleagues who have low production rates. intellectual. Finally, the evaluative format induces the implementers of this policy to adopt strategies to adapt to the requirements, such as dividing tasks aiming at increasing the number of articles produced, publishing seeking to carry out joint publications with the student, decentralizing student and teacher monitoring activities, among others.pt_BR
Appears in Collections:PPGEDU - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTACÃO_PolíticaAvaliaçãoPósgraduação.pdf2,23 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons