Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/7871
Título: Forrageio social em catetos : táticas, dominância, habilidade competitiva e sucesso.
Autor(es): Sá, Fernanda de Souza
Orientador(es): Young, Robert John
Azevedo, Cristiano Schetini de
Guedes, Danusa
Palavras-chave: Modelo produtor-usurpador
Sucesso de forrageio
Habilidade competitiva
Forrageio social
Data do documento: 2017
Membros da banca: Rodrigues, Flávio Henrique Guimarães
Oliveira, Reisla
Azevedo, Alessandro Schetini de
Referência: SÁ, Fernanda de Souza. Forrageio social em catetos : táticas, dominância, habilidade competitiva e sucesso. 2017. 39 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Biomas Tropicais) - Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2017.
Resumo: O Modelo Produtor-Usurpador (PS) é uma importante ferramenta para avaliar as estratégias de forrageio utilizadas por membros de grupos sociais, podendo existir diferenças individuais nas escolhas e investimento na procura do alimento. Essas escolhas se relacionam à capacidade dos indivíduos em associar informações ecológicas e sociais, sendo possivelmente alteradas em respostas a condições ambientais extremas e a fatores intrínsecos. O objetivo do presente trabalho foi avaliar as táticas de forrageio social de catetos cativos (produzir e usurpar), identificando se características ambientais (imprevisibilidade alimentar) e individuais (dominância, hierarquia e centralidade) influenciam nas decisões tomadas. Para isso, dois grupos de catetos, com 10 indivíduos cada, foram submetidos a uma situação de imprevisibilidade alimentar que consistia na diminuição do número de manchas alimentares acessíveis aos animais dentro do recinto (6 bacias dispostas dentro do recinto, somente duas com alimentos acessíveis) e na alteração diária dos locais das bacias com alimentos acessíveis. Os resultados encontrados mostraram que a maioria dos catetos não alterou a tática de forrageio quando submetidos a essa situação. O sucesso do forrageio dos produtores foi maior do que o dos usurpadores (no experimento controle do grupo 1). Não foi observada relação entre a dominância e a tática de produzir com a habilidade competitiva, e nem com o sucesso de forrageio, entretanto, houve relação entre o sucesso de forrageio individual e a habilidade competitiva, onde os mais hábeis forragearam mais. Finalmente, as taxas de interações agonísticas não aumentaram com a redução do recurso alimentar, exceto durante o forrageio social, onde os conflitos aumentaram com a diminuição da oferta alimentar. Concluímos que catetos utilizam o modelo produtor-usurpador, ainda que a escolha das táticas de forrageio e o sucesso de forrageio não sejam influenciados pelas condições ambientais, mas sim pela personalidade dos catetos. As táticas de forrageio escolhidas pelos catetos podem ter relação com a centralidade dos indivíduos e o fator determinante para garantir o sucesso de forrageio dos indivíduos foi a habilidade competitiva no momento do forrageio social. Nossos resultados destacam a importância de incluir a variação comportamental individual nos modelos de jogos de produtor usurpador.
Descrição: Programa de Pós-Graduação em Ecologia de Biomas Tropicais. Departamento de Biodiversidade, Evolução e Meio Ambiente, Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/7871
Licença: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo autor, 31/05/2017, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação desta.
Aparece nas coleções:PPGEBT - Mestrado (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO_ForrageioSocialCatetos.pdf1,02 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.