Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/7318
Título: Estrutura de uma comunidade de anfíbios anuros em savana tropical brasileira : uso dos ambientes e sazonalidade.
Autor(es): Correia, Camila Mendes
Orientador(es): Pires, Maria Rita Silvério
Palavras-chave: Anuro
Ecologia do cerrado
Diversidade de espécies
Recursos
Recursos naturais - conservação
Data do documento: 2015
Membros da banca: Pires, Maria Rita Silvério
Eterovick, Paula Cabral
Feio, Renato Neves
Referência: CORREIA, Camila Mendes. Estrutura de uma comunidade de anfíbios anuros em savana tropical brasileira : uso dos ambientes e sazonalidade. 2015. 103f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Biomas Tropicais) - Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2016.
Resumo: O Cerrado abriga grande diversidade faunística e riqueza de espécies endêmicas. Um dos seus centros de endemismo para anfíbios anuros encontra-se na sua porção sudeste, no complexo do Espinhaço. No entanto, o conhecimento sobre os padrões de diversidade no Cerrado é ainda considerado insuficiente. O Parque Estadual do Rio Preto (PERP) localiza-se em um fragmento de Cerrado na serra do Espinhaço no vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. O presente estudo teve como objetivos caracterizar a comunidade de anfíbios anuros quanto a sua composição, riqueza, distribuição geográfica e status de conservação, além de descrever aspectos da história natural das espécies. A amostragem se estendeu por 19 meses, entre setembro de 2013 e março de 2015, totalizando 91 dias. As metodologias utilizadas para a amostragem foram Procura ativa, Registro acústico e Pitfall-Traps. Foram amostrados microambientes favoráveis à ocorrência do grupo em diferentes fitofisionomias e altitudes. Foram registradas 35 espécies de anuros a partir do presente estudo. Assim, considerando a informação disponível na literatura, chega-se a um total de 43 espécies para o PERP. Dentre as espécies que constam na Lista Vermelha da IUCN (2015) 73,5% (n=25) estão em categoria menos preocupante (Least Concern), 23,5% (n= 8) são deficientes em dados (Data Deficient) e apenas uma espécie (3,1%) está na categoria quase ameaçada (Near Threatened). Os maiores valores para riqueza de espécies e abundância dos indivíduos se concentraram na estação chuvosa, demonstrando uma sazonalidade bem marcada. Houve espécies exclusivas de ambientes abertos e florestais, como as formações savânicas, campestres e matas ripárias. A composição da fauna de anfíbios anuros do PERP é representada por espécies endêmicas do Cerrado e do Espinhaço e associadas fortemente ao domínio, também por aquelas com ocorrência conhecida em Floresta Atlântica, e por fim, espécies de ampla distribuição no país e na região Neotropical.
Descrição: Programa de Pós-Graduação em Ecologia de Biomas Tropicais. Departamento de Biodiversidade, Evolução e Meio Ambiente, Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/7318
Licença: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo autor, 17/02/2016, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante.
Aparece nas coleções:PPGEBT - Mestrado (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO_EstruturaComunidadeAnfíbios.pdf3,11 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.