Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/6580
Título: A crise iconoclasta no Império Bizantino e a defesa das imagens de São João Damasceno : um debate sobre autoridade política.
Autor(es): Fernandes, Caroline Coelho
Orientador(es): Joly, Fábio Duarte
Palavras-chave: Império Bizantino
Império Romano
Oriente Medieval
Imagem
Data do documento: 2016
Membros da banca: Faversani, Fábio
Taveira, Celso
Boy, Renato Viana
Referência: FERNANDES, Caroline Coelho. A crise iconoclasta no Império Bizantino e a defesa das imagens de São João Damasceno : um debate sobre autoridade política. 2016. 141f. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2016.
Resumo: A controvérsia iconoclasta no Império Bizantino foi uma batalha em torno das imagens religiosas que ocorreu entre os séculos VIII e IX e que culminou na proibição das mesmas pelo então imperador Leão III. Essa batalha dividiu-se em dois períodos, sendo o primeiro de 726 a 787 com o primeiro restabelecimento do culto das imagens e, o segundo de 815 a 843 com o restabelecimento definitivo do culto das imagens, no que ficou conhecido como o “Triunfo da Ortodoxia”. Nossa ênfase neste trabalho será dada ao primeiro período, no qual surgiu o então monge João Damasceno que escreveu três tratados em defesa das imagens, obras estas que serão aqui analisadas por nós em conjunto com outras fontes do período. Dessa forma, nosso objetivo é situar essas obras em um debate da imagem e da natureza do poder em Bizâncio, procurando compreender a representação imperial do ponto de vista de Damasceno e como ele utiliza dos mesmos argumentos em defesa das imagens para a defesa do poder imperial. Para tanto, é preciso compreender a complexa relação existente entre os dois tipos de regime atribuídos a Bizâncio por pesquisadores: a monarquia por direito divino e a herança republicana romana. ___________________________________________________________________________________________________________
ABSTRACT : The iconoclastic controversy in the Byzantine Empire was a battle around the religious images that occurred between the eighth and ninth centuries, culminating in the prohibition of the same by the then emperor Leo III. This battle was divided into two periods, the first 726-787 with the first restoration of the image worship and the second 815-843 with the definitive restoration of images worship, in what became known as the "Triumph of Orthodoxy". Our emphasis in this work will be given to the first period, represented by the monk John Damascene who wrote three treatises in defense of images. These works will be analyzed here in conjunction with other sources of the period. Thus, our objective is to situate these works in a debate of the image and the nature of power in Byzantium, trying to understand the imperial representation from the point of view of Damascene and how he used the same arguments in defense of the images as well as in the defense of imperial power. Therefore, it is necessary to understand the complex relationship between the two types of regime attributed to Byzantium by investigators: the monarchy by divine right and the Roman republican heritage.
Descrição: Programa de Pós-Graduação em História. Departamento de História, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto.
URI: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/6580
Licença: Autorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo autor, 14/07/2016, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação desta.
Aparece nas coleções:PPGHis - Mestrado (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO_CriseIconoclastaImpério.pdf1,86 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.