Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/5934
Registro completo de metadados
Campo Dublin CoreValorIdioma
dc.contributor.advisorAntonini, Yasminept_BR
dc.contributor.advisorOliveira, Reisla da Silvapt_BR
dc.contributor.authorSilveira, Rodrigo Assunção da-
dc.date.accessioned2015-12-10T16:11:39Z-
dc.date.available2015-12-10T16:11:39Z-
dc.date.issued2015-
dc.identifier.citationSILVEIRA, Rodrigo Assunção da. Ecologia de Discocactus pseudoinsignis e Discocactus placentiformis simpátricos e endêmicos da Serra do Espinhaço, MG, Brasil. 2015. 68f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Biomas Tropicais) - Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2015.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/5934-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Ecologia de Biomas Tropicais. Departamento de Biodiversidade, Evolução e Meio Ambiente, Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractEstudos sobre a ecologia de espécies de cactáceas são bem raros no Brasil, considerando o grande número de espécies que aqui ocorrem. Informações sobre fenologia, biologia reprodutiva e distribuição espacial são importantes para subsidiar os planos de conservação dessas espécies. Nesse trabalho são descritos aspectos relacionados a história de vida, como biologia floral e reprodutiva, fenologia, germinação de sementes e estrutura etária de Discocactus placentiformis e D. pseudoinsignis, que ocorrem em simpatria e sintopia no Parque Estadual do Rio Preto, Minas Gerais. Os estudos foram conduzidos entre março de 2013 a dezembro de 2014. As duas espécies florescem simultaneamente e com maior intensidade entre setembro e novembro, principalmente nos períodos de maior precipitação. A biologia e morfologia florais confirmam a síndrome de esfingofilia. Ambas espécies são auto-incompatíveis sendo a fecundação cruzada realizada primariamente pelos esfingídeos Callionima parce, Nyceryx sp e Manduca dalia anthina. Discocactus placentiformis quando ocorre em sintopia com D. pseudoinsignis apresenta performance reprodutiva melhor do que quando ocorre isoladamente. A taxa de frutificação é baixa devida ao alto nível de predação dos frutos. No entanto, o sucesso reprodutivo de ambas espécies é compensado pelas altas taxas de germinação de sementes. As sementes são dispersas por formigas Camponotus sp1 e Dorymyrmex sp e a polpa dos frutos é consumida por formigas Monomorium sp, Camponotus sp2 e Cephalotes sp. O padrão espacial das espécies de Discocactus é agregado com proporção de plântulas e indivíduos juvenis quase igual à de adultos.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectDiscocactuspt_BR
dc.subjectEndemiaspt_BR
dc.subjectEcologiapt_BR
dc.titleEcologia de Discocactus pseudoinsignis e Discocactus placentiformis simpátricos e endêmicos da Serra do Espinhaço, MG, Brasil.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo autor, 03/12/2015, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação desta.pt_BR
Aparece nas coleções:PPGEBT - Mestrado (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO_EcologiaDicocactusEspinhaço.pdf1,74 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.