Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/14055
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorReis, Érica Linharespt_BR
dc.contributor.authorBarbosa, Paôlla de Carvalho-
dc.date.accessioned2021-12-03T23:36:28Z-
dc.date.available2021-12-03T23:36:28Z-
dc.date.issued2021pt_BR
dc.identifier.citationBARBOSA, Paôlla de Carvalho. Aproveitamento de finos de minério de manganês para aglomeração por briquetagem. 2021. 100 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mineral) - Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2021.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/14055-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Engenharia Mineral. Departamento de Engenharia de Minas, Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractA geração de finos durante o beneficiamento de minérios de manganês é um grande problema enfrentado pelo setor mínero-metalúrgico. Além das dificuldades de armazenamento e transporte deste material fino, tem-se a impossibilidade de utilizá-lo como carga nos fornos elétricos, devido às obstruções que o mesmo pode causar nos canais por onde os gases produzidos no forno percolam, acarretando em uma diminuição na produtividade e consequentemente, uma elevação no custo de produção, além do aumento da possibilidade de engaiolamento e explosão. Desta forma, a necessidade de recuperar estas partículas finas levou ao desenvolvimento das tecnologias de aglomeração, que possuem como objetivo o aproveitamento comercial desses materiais, diminuindo assim, o impacto ambiental gerado por eles, e proporcionando um maior aproveitamento do recurso já explotado e consequentemente, uma maior geração de renda. Neste contexto, este trabalho surge com a proposta de produzir briquetes a partir de finos gerados no beneficiamento de um minério de manganês, pertencente a uma pequena mineradora localizada no distrito manganesífero de São João Del Rei (MG). Para isso, foi realizada a caracterização do produto fino de minério de manganês estocado como passivo ambiental, bem como do rejeito desse processo de beneficiamento que também foi utilizado como insumo para a produção dos briquetes. As variáveis avaliadas em dois níveis neste trabalho, foram: pressão de compactação (20 e 25 MPa), tempo de cura (7 e 28 dias), porcentagem em massa de aglutinante (5 e 10%) e substituição de parte do produto fino de minério de manganês por rejeito (0 e 10%). Foram realizados ensaios de qualidade para avaliar as propriedades: resistência à compressão, à abrasão e ao impacto e absorção e resistência à água. A influência das variáveis sobre as respostas obtidas foi avaliada a partir do planejamento experimental fatorial, e para as melhores composições, foram realizados os ensaios adicionais de caracterização química-estrutural, determinação do tempo de armazenamento e crepitação. Conforme análise granulométrica, a amostra de produto fino se apresenta em uma ampla faixa granulométrica (entre 5,6 mm e 0,038 mm), enquanto o rejeito possui uma expressiva porcentagem de partículas abaixo de 0,038 mm (cerca de 30%). A caracterização química apontou os teores do elemento útil nas duas amostras, e a partir daí foi possível definir uma porcentagem ideal de substituição do produto fino por rejeito na mistura dos briquetes. Os ensaios de qualidade apontaram que as duas melhores composições de briquetes foram, em ordem: BMC1 (10% de cimento Portland, 10% de rejeito de Mn, pressão de compactação de 25 MPa e 7 dias de cura) e BMC2 (10% de cimento Portland, pressão de compactação de 25 MPa e 28 dias de cura). A partir dos ensaios adicionais para estas composições, foram encontrados na caracterização química-estrutural, os minerais: espessartita, todorokita, pirolusita, criptomelana, bixbyita e quartzo e foi possível observar a heterogeneidade granulométrica das composições e a diferença de porosidade entre elas. Pelos ensaios de crepitação, os briquetes foram classificados como de ótima qualidade, uma vez que os índices de crepitação se apresentaram inferiores ao valor máximo aceitável. Os ensaios de tempo de armazenamento indicaram que para as duas melhores composições, os briquetes responderam de forma satisfatória ao armazenamento por 3 meses em ambiente seco e temperatura ambiente.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/us/*
dc.subjectBeneficiamento de minériopt_BR
dc.subjectAglomeraçãopt_BR
dc.subjectBriquetagempt_BR
dc.subjectMinérios de manganêspt_BR
dc.subjectFerroligaspt_BR
dc.titleAproveitamento de finos de minério de manganês para aglomeração por briquetagem.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 24/11/2021 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeReis, Érica Linharespt_BR
dc.contributor.refereeFerreira, Carlos Robertopt_BR
dc.contributor.refereeLuz, José Aurélio Medeiros dapt_BR
dc.description.abstractenThe fines production during the processing of manganese ores is a major problem faced by the mining-metallurgical sector. In addition to the difficulties of storage and transport of this fine material, it is impossible to use it as a charge in electric ovens, due to the obstructions that it can cause in the channels through which the gases produced in the oven percolate. That results in a decrease in productivity and consequently, an increase in the cost of production in addition to the increased possibility of caging and explosion. Thus, the need to recover these fine particles led to the development of agglomeration technologies, which aim at the commercial use of these materials, reducing the environmental impact generated by them and providing a greater use of the resource already exploited and by consequence, a greater generation of income. This study then comes with the proposal to produce briquettes from fines generated in the processing of a manganese ore originated from a small mining company located in the manganeferous district of São João Del Rei (MG). For that, the characterization of the fine product of manganese ore stored as environmental liabilities was performed, as well as the tailings of this process also being used as a component to produce the briquettes. The variables evaluated at two levels in this study were: compaction pressure (20 MPa and 25 MPa), curing time (7 and 28 days), percentage by mass of binder (5 and 10%) and replacement of part of the fine product of manganese ore by tailings (0% and 10%). Quality tests were performed to evaluate the properties: compressive strength, abrasion and impact and water absorption and resistance. The influence of the variables on the results obtained was evaluated through factorial experimental planning and, for the best compositions, additional tests of chemical-structural characterization, determination of storage time and heat desintegration were performed. According to granulometric analysis, the fine product sample is presented in a wide granulometric range (between 5.6 mm and 0.038 mm), while the tailings have a significant percentage of particles below 0.038 mm (about 30%). The chemical characterization indicated grades of the useful element in the two samples, and from there it was possible to define an ideal replacement percentage of the fine product by tailings in the mixture of briquettes. The quality tests indicated that the two best compositions of briquettes were, in order: BMC1 (10% Portland cement, 10% of Mn tailings, compaction pressure of 25 MPa and 7 days of curing) and BMC2 (10% of Portland cement, compaction pressure of 25 MPa and 28 days of curing). From the additional tests for these compositions, the following minerals were found in the chemical-structural characterization: spessartine, todorokite, pyrolusite, cryptomelane, bixbyite, and quartz enabling the observation of granulometric heterogeneity of the compositions and the porosity difference between them. By the heat desintegration assays, the briquettes were classified as of excellent quality, since the heat desintegration indexes were lower than the maximum acceptable value. The storage time tests indicated that for the two best compositions, the briquettes responded satisfactorily to storage for 3 months in a dry environment at room temperature.pt_BR
Appears in Collections:PPGEM - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_AproveitamentoFinosMinério.pdf3,98 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons