Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/13183
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBezerra, Frank Silvapt_BR
dc.contributor.advisorMatos, Natália Alves dept_BR
dc.contributor.authorHorta, Jacques Gabriel Álvares-
dc.date.accessioned2021-04-07T12:55:59Z-
dc.date.available2021-04-07T12:55:59Z-
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.citationHORTA, Jacques Gabriel Álvares. Estudo dos efeitos oxidantes da ventilação mecânica em diferentes modos ventilatórios sobre a resposta inflamatória pulmonar e sistêmica em ratos Wistar e humanos adultos. 2019. 121 f. Dissertação (Mestrado em Saúde e Nutrição) - Escola de Nutrição, Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Nutrição, Ouro Preto, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/13183-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Saúde e Nutrição. Escola de Nutrição, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractA Ventilação Mecânica (VM) tem como objetivo manter uma troca gasosa adequada no tratamento do paciente crítico. Todavia, a VM pode induzir processos inflamatórios e ao desequilíbrio redox devido aos seus efeitos antifisiológicos no sistema respiratório, bem como em outros órgãos e sistemas do corpo humano. Objetivos: O presente estudo analisou os efeitos oxidantes da VM nos modos ventilação controlada a volume (VCV) e ventilação controlada a pressão (VCP) em ratos wistar; assisto-controlado à volume (ACV) e assisto-controlado a pressão (ACP) em humanos adultos sobre a resposta inflamatória pulmonar e sistêmica. Metodologia: o projeto foi composto por dois estudos: Estudo 1 (realizado em animais), fêmeas Wistar adultas, foram divididas em três grupos: controle (GC), ventilação controlada a pressão (GVCP) e ventilação controlada a volume (GVCV). Após a realização do protocolo experimental, os animais foram eutanasiados e, então foi coletado o lavado broncoalveolar (LBA), o sangue e o tecido pulmonar para as análises morfométricas e bioquímicas. Para realização do Estudo 2 (realizado em humanos) foram utilizados pacientes, de ambos os sexos, com faixa etária entre 18 e 90 anos, que estavam sob ventilação mecânica, nas primeiras 24 h após intubação orotraqueal, sendo divididos de forma randomizada em dois grupos experimentais, modo assisto-controlado à volume (ACV) e modo assisto-controlado a pressão (ACP). Realizado o protocolo experimental, foram coletados o aspirado traqueal, o soro e os parâmetros ventilatórios dos pacientes. Resultados: No estudo 1, não houve diferença no número de leucócitos totais no LBA entre os grupos experimentais, entretanto, entre os subtipos celulares analisados foi observado maior influxo de linfócitos e neutrófilos no GVCV e GVCP em relação ao GC. Houve um aumento das atividades das enzimas SOD, catalase e MPO no GVCP comparado ao GC no parênquima pulmonar. Em relação ao dano tecidual, foi observado maiores índices tanto na peroxidação lipídica avaliado pelo TBARS quanto na oxidação de proteínas, avaliado pela proteína carbonilada no GVCP comparado ao GC. Quanto aos biomarcadores inflamatórios analisados, as quimiocinas CCL3 e CCL5 estiveram aumentadas nos dois grupos sob VM comparados ao GC. Em relação às análises estereológicas do parênquima pulmonar foi observado redução na densidade de volume de espaços aéreos alveolares e aumento na densidade de volume dos septos alveolares no GVCP quando comparado ao GC. No estudo 2, foram recrutados 15 pacientes, sendo 9 pacientes do sexo masculino e 6 feminino, o Escore de RASS variou entre -4 e -5, os modos ventilatórios foram escolhidos randomicamente de forma que ficaram 9 no modo ACP e 6 no ACV, com PEEP entre 5 a 7 cm H2O, FiO2 entre 28 a 40%, FR: 12-18 irpm. Na avalição do influxo leucocitário no aspirado traqueal, foi observado um maior número de neutrófilos no ACP quando comparado ao ACV. As análises bioquímicas revelaram maior atividade da catalase no grupo ACP, no entanto houve maior peroxidação lipídica e oxidação de proteínas no modo ACV quando comparado ao ACP. Em relação aos biomarcadores inflamatórios no aspirado traqueal, os níveis de IL-6, IL-8, IL-33 e TNF-α foram maiores no modo ACV quando comparado ao modo ACP. Conclusão: No estudo 1, o modo controlado a pressão promoveu alterações estruturais no parênquima pulmonar, bem como um maior desquilíbrio redox em animais adultos saudáveis submetidos a ventilação mecânica. No estudo 2, nossos resultados demonstraram que modo ACV levou a um influxo de neutrófilos e ao dano oxidativo pulmonar em humanos submetidos a ventilação mecânica.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.subjectEstresse oxidativopt_BR
dc.subjectRespiração artificialpt_BR
dc.subjectPulmões - doençaspt_BR
dc.titleEstudo dos efeitos oxidantes da ventilação mecânica em diferentes modos ventilatórios sobre a resposta inflamatória pulmonar e sistêmica em ratos Wistar e humanos adultos.pt_BR
dc.typeDissertacaopt_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 02/03/2020 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeCosta, Daniela Caldeirapt_BR
dc.contributor.refereeMatos, Natália Alves dept_BR
dc.contributor.refereeBezerra, Frank Silvapt_BR
dc.contributor.refereeNagato, Akinori Cardozopt_BR
dc.description.abstractenMechanical ventilation (MV) aims to maintain an adequate gas exchange in the treatment of critically ill patients. However, MV may induce inflammatory processes and redox imbalance due to its anti-physiological effects on the respiratory system as well as on other organs and systems of the human body. Objectives: The present study analyzed the oxidative effects of MV in volume-controlled ventilation (VCV) and pressure-controlled ventilation (PCV) modes in Wistar rats; assist volume-controlled (AVC) and assist pressure-controlled (APC) modes in adult humans in the pulmonary and systemic inflammatory response. Methodology: The project consisted of two studies: Study 1 (performed on animals), adult Wistar females were divided into three groups: control (CG), pressure-controlled ventilation (PCVG), and volume-controlled ventilation (VCVG). After the experimental protocol was performed, the animals were euthanized, and the bronchoalveolar lavage (BAL), blood and lung tissue were collected for morphometric and biochemical analyzes. In order to perform Study 2 (assessed in humans), patients of both sexes, between the ages of 18 and 90 years, who were under mechanical ventilation, for the first 24 h after orotracheal intubation, and were randomly divided into two experimental groups, assist volume-controlled (AVC) and assist pressure-controlled (APC) modes. At the end of the experimental protocol, tracheal aspirate, serum, and ventilatory parameters were collected from the patients. Results: In study 1, there was no difference in the number of total BAL leukocytes between the experimental groups, however, between the cell subtypes analyzed, there was a greater influx of lymphocytes and neutrophils in VCVG and PCVG compared to CG. There was an increase in the activities of the enzymes SOD, catalase, and MPO in PCVG compared to CG in the pulmonary parenchyma. Regarding tissue damage, higher rates were observed in the lipid peroxidation evaluated by TBARS as well as in protein oxidation, evaluated by carbonated protein in PCVG compared to CG. The inflammatory markers, CCL3 and CCL5 chemokines, increased in both groups under MV compared to CG. Regarding the stereological analysis of the pulmonary parenchyma, a reduction in the volume density of the alveolar airspace and an increase in the volume density of the alveolar septa in PCVG were observed when compared to CG. In study 2, 15 patients were enrolled, 9 men and 6 women, the RASS score ranged from -4 to -5, the ventilatory modes were randomly chosen so that 9 were in APC mode and 6 were in AVC mode, with PEEP between 5 to 7 cm H2O, FiO2 between 28 to 40%, RR: 12-18 bpm. While evaluating the leukocyte influx in tracheal aspirate, a higher number of neutrophils were observed in APC compared to AVC. Biochemical analyses showed a higher catalase activity in APC compared to AVC group. However, there was a significant lipid peroxidation and protein oxidation in the AVC mode when compared to the APC mode. Regarding the inflammatory biomarkers in tracheal aspirate, IL-6, IL-8, IL-33, and TNF-α levels were higher in AVC when compared to APC mode. Conclusion: In study 1, the pressure-controlled ventilation mode promoted structural changes in the lung parenchyma, as well as a more significant redox imbalance in healthy adult animals submitted to mechanical ventilation. In study 2, our results demonstrated that AVC increased the neutrophil influx and pulmonary oxidative damage in mechanically ventilated humans.pt_BR
Appears in Collections:PPGSN - Mestrado (Dissertações)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO_EstudoEfeitosOxidantes.pdf5,86 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons