Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/13177
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCoelho, George Luiz Lins Machadopt_BR
dc.contributor.authorMartins, Rafael-
dc.date.accessioned2021-04-04T17:40:38Z-
dc.date.available2021-04-04T17:40:38Z-
dc.date.issued2020pt_BR
dc.identifier.citationMARTINS, Rafael. Distribuição temporal e espacial dos casos de dengue no período de 2001 a 2017, e estudo dos mosquitos vetores, no Município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. 2020. 147 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/13177-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Pró-Reitoria de Pesquisa de Pós Graduação, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractA dengue é uma doença viral transmitida pela picada de fêmeas de culicídeos das espécies Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) e Aedes (Stegomyia) albopictus (Skuse, 1894), dentre outras, que pode evoluir para quadros clínicos severos. No Brasil a dengue configura um grave problema de saúde pública. É crescente a densidade populacional dos seus vetores, que também são incriminados como transmissores de outras arboviroses. Nesse contexto, o acompanhamento de séries temporais das notificações da doença e os inquéritos entomológicos constituem ferramentas valiosas para nortear as medidas de controle e ajudar a prever e prevenir surtos em regiões endêmicas. O presente trabalho teve como objetivo geral descrever a série temporal de 17 anos (2001-2017) dos casos de dengue no município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil, além de determinar a densidade de ovos e a ocorrência de espécies de mosquitos vetores da virose nos bairros da sede municipal e nas sedes distritais do município. Foram levantados e georreferenciados dados secundários da ocorrência da dengue no município, na série temporal, verificando-se as fichas de notificação dos arquivos da Secretaria Municipal de Saúde. Também foram coletados dados primários para a descrição espacial e temporal da fauna vetora nas áreas estudadas, utilizando-se armadilhas de oviposição (Ovitrampas). As coletas de dados em campo (dados primários) ocorreram de forma bimestral ao longo de 13 meses. O material coletado foi quantificado e identificado no Laboratório de Epidemiologia da Escola de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto, onde também se realizou a eclosão das larvas para obtenção de dados sobre a distribuição das espécies. Na série temporal de 17 anos, verificou-se a ocorrência de 273 casos de dengue notificados pelo município de Ouro Preto, MG. Não foi possível identificar o caso índice da doença no município. Entretanto, observou-se que a primeira notificação de caso de dengue ocorreu em fevereiro de 2001. Foi possível constatar que a dengue tem se mantido endêmica em Ouro Preto nos últimos 17 anos. Durante este período, ficaram evidenciadas três epidemias de dengue, nos anos de 2010, 2013 e 2016. As faixas etárias mais acometidas pela dengue foram aquelas compreendidas entre 20 e 59 anos, não diferindo entre os sexos. A distribuição temporal da dengue no município é influenciada por fatores ambientais que contribuem para o aumento ou diminuição do número de casos da doença na região, sendo estes fatores (dentre aqueles testados) a média da umidade e a média da precipitação. A distribuição espacial dos vetores demonstrou a presença de Aedes spp. em todos os sítios amostrais e que a mesma não possui relação com a altitude das localidades amostradas. Todavia, a pluviosidade é um fator determinante para a abundância de ovos amostrados (com maiores valores na estação chuvosa em comparação com o período de estiagem). Observou-se maiores valores para o índice de positividade de armadilhas (IPO) nos distritos com características rurais, onde é possível encontrar maiores áreas de remanescentes florestais, ao passo que o índice de densidade de ovos (IDO) revelou-se maior nos distritos com maior grau de sinantropia. O mesmo foi constatado para o IPO e IDO entre os bairros da sede distrital. Os valores obtidos para o Índice de Edifício (IE) dos levantamentos do órgão municipal de saúde, quando comparados com o Índice de Positividade de Ovitrampas (IPO) fornecidos pelas mesmas, mostraram-se inferiores em todos os sítios amostrais, evidenciando a superioridade das armadilhas de oviposição no que tange à eficácia e cobertura do monitoramento de vetores da dengue na área de estudo.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.subjectAedes aegyptipt_BR
dc.subjectAedes albopictuspt_BR
dc.subjectEntomologiapt_BR
dc.subjectArmadilhas para insetospt_BR
dc.subjectAnálise de séries temporaispt_BR
dc.titleDistribuição temporal e espacial dos casos de dengue no período de 2001 a 2017, e estudo dos mosquitos vetores, no Município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.pt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 12/03/2021 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeMarinho, Carolina Coimbrapt_BR
dc.contributor.refereeDias, Edelberto Santospt_BR
dc.contributor.refereeMachado, Evandro Marques de Menezespt_BR
dc.contributor.refereeCoelho, George Luiz Lins Machadopt_BR
dc.description.abstractenDengue is a viral disease transmitted by the bite of female culicids of the species Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) and Aedes (Stegomyia) albopictus (Skuse, 1894), among others, which can evolve to severe clinical conditions. In Brazil, dengue is a serious public health problem. The population density of its vectors is increasing, which are also incriminated as transmitters of other arboviruses. In this context, monitoring time series of disease notifications and entomological surveys are valuable tools to guide control measures and help to predict and prevent outbreaks in endemic regions. The present study aimed to describe the 17-year time series (2001-2017) of dengue cases in the municipality of Ouro Preto, Minas Gerais, Brazil, in addition to determining the density of eggs and the occurrence of mosquito vector species in the districts of the municipal headquarters and in the district headquarters of the municipality. Secondary data on the occurrence of dengue in the municipality were collected and georeferenced in the time series, checking the notification forms from the archives of the Municipal Health Department. Primary data were also collected for the spatial and temporal description of the vectors in the studied areas, using oviposition traps (Ovitramps). Field data collections (primary data) took place on a bimonthly basis over 13 months. The collected material was quantified and identified at the Epidemiology Laboratory of the School of Medicine of the Federal University of Ouro Preto, where the larvae were also hatched to obtain data on the species distribution. In the 17- year time series, there were 273 dengue cases reported by the municipality of Ouro Preto, MG. It was not possible to identify the index case of the disease in the municipality. However, it was noted that the first notification of a dengue case occurred in February 2001. It was found that dengue has remained endemic in Ouro Preto for the past 17 years. During this period, three dengue epidemics were evidenced, in the years 2010, 2013 and 2016. The age groups most affected by dengue were those between 20 and 59 years, with no difference between genders. The temporal distribution of dengue in the municipality is influenced by environmental factors that contribute to the increase or decrease in the number of cases of the disease in the region, these factors (among those tested) being the average humidity and the average precipitation. The spatial distribution of the vectors demonstrated the presence of Aedes spp. in all sampling sites and that it has no relation to the altitude of the sampled locations. However, rainfall is a determining factor for the abundance of eggs sampled (with higher values in the rainy season compared to the dry season). Higher values were observed for the positivity index of traps (PIT) in districts with rural characteristics, where it is possible to find larger areas of forest remnants, while the egg density index (EDI) was higher in the districts with greater degree of synanthropy. The same was found for the PIT and EDI between the districts of the district headquarters. The values obtained for the Building Index (BI) of the surveys of the municipal health agency, when compared with the Ovitrampas Positivity Index (PIT) provided by them, were lower in all sample sites, showing the superiority of the traps oviposition regarding the effectiveness and coverage of dengue vector monitoring in the study area.pt_BR
Appears in Collections:PPCBIOL - Doutorado (Teses)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE_DistribuiçãoTemporalEspacial.pdf7,24 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons