Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/12988
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorPereira, Mateus Henrique de Fariapt_BR
dc.contributor.authorMoreira, Guilherme Bianchi-
dc.date.accessioned2020-11-26T14:05:52Z-
dc.date.available2020-11-26T14:05:52Z-
dc.date.issued2020pt_BR
dc.identifier.citationMOREIRA, Guilherme Bianchi. Historicidades em deslocamento: tempo e política entre os Ashaninka da Amazônia peruana e os Misak dos Andes colombianos. 251 f. 2020. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/12988-
dc.descriptionPrograma de Pós-Graduação em História. Departamento de História, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto.pt_BR
dc.description.abstractEsta tese investiga dimensões da experiência histórica de duas comunidades indígenas da América do Sul: os Ashaninka do rio Ene, da Amazônia peruana, e os Misak de Guambia, dos Andes colombianos. Com isso, queremos refletir sobre os dilemas teóricos da história disciplinar em contato com a legitimidade de mundos que resistem ativamente às tentativas de serem enquadrados nos termos analíticos de nossa tradição. Objetivamos demonstrar de que maneira a ação política e a produção cosmológica dessas comunidades desestabilizam potencialmente, quando levadas a sério, parte fundamental do repertório conceitual de nossa disciplina. Propomos entender, no interior das historicidades desses mundos, os sentidos através dos quais seus atores pensaram a questão do tempo e da história e como mobilizaram esses sentidos na vida prática e no domínio político. De maneira semelhante, os usos e as apropriações do conhecimento histórico pelas comunidades também são analisados como forma de entender o trânsito entre diferentes formas de dotar o passado de sentido e de deslocar as historicidades para além de lugares fixos e universais. A partir de fontes etnográficas e históricas, entrevistas e histórias recolhidas em uma curta investigação de campo, mitos, autobiografias e documentos produzidos pelas organizações indígenas ao longo das últimas décadas, refletimos sobre os modos ameríndios de construir relações entre o tempo, a política e a história e sobre as implicações disso para a atividade historiográfica moderna. Concluímos, em interlocução com uma série de desenvolvimentos recentes entre a antropologia e a teoria da história, com um convite a repensar a rigidez e a suposta universalidade de pares conceituais caros à nossa tradição disciplinar, de modo a imaginar um espaço interpretativo aberto às tensões produzidas de forma não imanente ao discurso histórico.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsabertopt_BR
dc.subjectPovos indígenaspt_BR
dc.subjectIndígenas da América do Sul - Perupt_BR
dc.subjectIndígenas da América do Sul - Colômbiapt_BR
dc.subjectPolítica e culturapt_BR
dc.subjectHistória e crítica - teoriapt_BR
dc.subjectMitopt_BR
dc.titleHistoricidades em deslocamento : tempo e política entre os Ashaninka da Amazônia peruana e os Misak dos Andes colombianos.pt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.rights.licenseAutorização concedida ao Repositório Institucional da UFOP pelo(a) autor(a) em 25/11/2020 com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que sejam citados o autor e o licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação.pt_BR
dc.contributor.refereeAbreu, Marcelo Santos dept_BR
dc.contributor.refereeNicolazzi, Fernando Felizardopt_BR
dc.contributor.refereePereira, Ana Carolina Barbosapt_BR
dc.contributor.refereeFernandes, Luiz Estevam de Oliveirapt_BR
dc.contributor.refereePereira, Mateus Henrique de Fariapt_BR
dc.description.abstractenThis thesis investigates dimensions of the experience of time in two indigenous communities in South America: the Ashaninka of the Ene River, of the Peruvian Amazon, and the Misak of Guambia, of the Colombian Andes. With this we want to reflect on the theoretical dilemmas of disciplinary history in contact with the legitimacy of worlds that actively resist attempts to be framed in the analytical terms of modern historical tradition. We aim to demonstrate how the political action and cosmological production of these communities potentially destabilize, when taken seriously, a fundamental part of the conceptual repertoire of our discipline. We propose to understand, within the historicities of these worlds, the meanings through its actors conceptualize time and history, and mobilize these meanings in practical life and in the political domain. At the same time, the uses and appropriations of historical knowledge by communities are also analyzed as a way of understanding the transit between different ways of endowing the past with meaning, thus displacing historicities beyond fixed and universal places. Through a wide range of ethnographic and historical sources, interviews and stories collected in a short field investigation, myths, autobiographies and documents produced by indigenous organizations over the past decades, we reflect on Amerindian ways of building relations between time, politics and history, and the implications of that for modern historiographical activity. We conclude, in dialogue with a series of recent developments in anthropology and theory of history, with an invitation to rethink the rigidity and the supposed universality of conceptual pairs dear to our disciplinary tradition, in order to imagine an interpretive space open to tensions produced not immanently to historical discourse.pt_BR
dc.contributor.emailOrientadormatteuspereira@gmail.compt_BR
Appears in Collections:PPGHis - Doutorado (Teses)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE_HistoricidadesDeslocamentoTempo.pdf5,28 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons